Bibliografia

Carl Rogers

 

 

Bibliografia de Carl Rogers em Língua Portuguesa

 

 
Rogers, C. (1939). O Tratamento Clínico da Criança Problema. São Paulo, SP: Livraria Martins Fontes.
Rogers, C. (1974). Psicoterapia e Consulta Psicológica. Lisboa: Moraes Editores.
Rogers, C. (1974). Terapia Centrada no Paciente. Lisboa: Moraes Editores.(obra original publicada em 1951).
Rogers, C. (2004). Terapia Centrada no Cliente. Lisboa: Ediual, 2004.(obra original publicadfa em 1951).
Rogers, C. (1984). Tornar-se Pessoa. Lisboa: Moraes Editores.(obra original publicada em 1961).
Rogers, C. (1986). Grupos de Encontro. Lisboa: Moraes Editores.(obra original publicada em 1970).
Rogers, C. (1990). Novas Formas de Amor. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio Editora. (obra original publicada em 1972).
Rogers, C. (1989). Sobre o Poder Pessoal. São Paulo, SP: Martins Fontes. (obra original publicada em 1977).
Rogers, C. (1983). Um Jeito de Ser. São Paulo, SP: Editora Pedagógica eUniversitária. (obra original publicada em 1980).
Rogers, C. (1994). Liberdade para aprender nos anos oitenta. São Paulo, SP: Martins Fontes. (obra original publicada em 1983).
Rogers, C., Bowen, M. & Santos, A. (1987). Quando fala o coração. Porto Alegre: Artes Médicas.
Rogers, C. & Kinget, G. (1977). Psicoterapia e Relações Humanas. Teoria e prática da terapia não directiva. Belo Horizonte: Interlivros. (obra original publicada em 1967).
Rogers, C. & Rosenberg, R. (1977). A Pessoa como Centro. São Paulo, SP: Editora Pedagógica e Universitária.
Rogers, C. & Stevens, B. (1987). De Pessoa Para Pessoa. São Paulo, SP: Pioneira.
Rogers, C. & Wood, J. (1994). Abordagem Centrada na Pessoa. Vitória: Editora Fundação Ceciliano Abel de Almeida e Universidade Federal do Espírito Santo.
Rogers, C. (2000). Manual de Counselling. Lisboa: Encontro.
 
psicot2
 
  
LIVROS
 
 
 
gordon-page
 
 
 
 
 
 
Bibliografia de Thomas Gordon em Língua Portuguesa
 
 
 
Eficácia na Educação dos Filhos (PET). Lisboa: Encontro. 1998
Programa de Ensino Eficaz (TET). Lisboa: E. S. João de Deus. 1998
Eficácia na Liderança (LET). Lisboa: Encontro. 1998

 

 hipolito_livro

 

 

João Hipólito

 

Título: Auto-organização e Complexidade: Evolução e Desenvolvimento do Pensamento Rogeriano

Ano da edição: 2011

Editora: Ediual

Prefácio:

“Esperado há muito, é um livro que acrescenta ao que é acessível pelos escritos directos de Rogers, a experiência única e singular de um homem que enquanto professor, psicoterapeuta, formador e supervisor tem feito sua a enorme e difícil tarefa de manter vivo e actuante o pensamento emérito de Carl Rogers”.
Isabel Leal

Onde adquirir: Livrarias em geral; livraria da Universidade Autónoma de Lisboa

 
 
psicot2

 

 Carl R. Rogers

 

Terapia Centrada no Cliente

Ano da edição (em português): 2004

Editora: Ediual

Resumo (contracapa):

Inicialmente, o livro de C. Rogers – Client Centered Therapy – apareceu em Portugal, publicado pela já finda editora Moraes, com o título de Terapia Centrada no Paciente. Surge agora uma nova publicação, desta vez sob a responsabilidade da editora EDIUAL, com o título de Terapia Centrada no Cliente o qual consideramos ser mais genuíno por respeitar a fundamentada intenção do autor em utilizar o termo cliente em vez de paciente.

Este livro, considerado um dos clássicos de C. Rogers, desenvolve um conjunto de conceitos fundamentais que permitem ao leitor apreender as linhas mestras do modelo teórico de intervenção psicoterapêutica, designado de Psicoterapia Centrada no Cliente, cujos princípios filosóficos se enquadram na perspectiva da Psicologia Humanista.
Maria Odete Nunes

Onde adquirir:
Livrarias em geral; livraria da Universidade Autónoma de Lisboa

 

Developing Person-Centred Counselling
Resumido por Nuno Simão

Autor: Dave Mearns (colaboração de: Brian Thorne, Elke Lambers, Dion Van Werde)

Editora: Sage Publications

ISBN: 0-8039-8982-2

133 Paginas

Este livro insere-se numa série editada sob o título “Developing Counselling”. O editor refere que este livro “assume que os leitores têm um ‘working knowledge’ da abordagem em questão”. A quem preocupa o livro estar escrito em inglês, refiro que este facto não será impeditivo da sua leitura já, que a linguagem utilizada é bastante acessível.

À primeira vista os temas de algumas secções (como por exemplo: o que fazer se não se é perfeito, como trabalhar como um casal, que quantidade do seu self pode usar terapeuticamente com o seu cliente), podem iludir-nos quanto ao tipo de livro que temos em mão, como de um receituário se tratasse. No entanto uma leitura atenta, revela uma reflexão ponderada por parte dos autores, apoiada na prática clínica, como é evidenciado pela utilização abundante de transcrições de sessões e de resumos de casos clínicos. Assim, os títulos nada mais evidenciam do que algum pragmatismo (tipicamente inglês), bem como uma certa dose de propaganda, dirigida à nossa atenção e curiosidade.

O livro está dividido em 5 principais secções (Estendendo as condições terapêuticas, O desenvolvimento do conselheiro, A aliança terapêutica, O processo terapêutico, Psicopatologia centrada na pessoa), as quais não são estanques, já que o próprio autor, nos vários capítulos, faz referências e elementos debatidos em diferentes secções do livro. No final de cada tema debatido, é apresentado um quadro resumo das ideias fundamentais.

1. Estendendo as condições terapêuticas

a. Olhar condicional positivo VS gostar de

b. A qualidade da presença com o cliente

c. Limites, variabilidade, flexibilidade no estabelecimento do contrato terapêutico

d. Totalidade do cliente VS dinâmicas internas especificas

e. A confiança do terapeuta em ser ele próprio na relação

2. O desenvolvimento do conselheiro

a. A paralisia do conselheiro

b. O problema da necessidade de parecer inteligente

c. Fazer (doing) VS Ser (being)

d. Burn out

e. Os limites do desenvolvimento pessoal do conselheiro na construção da sua congruência

f. O uso do grupo de formação em counselling, como meio de construir a congruência de si na abordagem

g. “Transcendental core” uma contribuição de Brian Thorne em que este reflecte sobre a qualidade da presença na relação e da experiência desta presença como algo do domínio do transcendental

3. A aliança terapêutica

a. O risco da especialização do conselheiro em grupos problemáticos, como algo que conduz à estereotipização do cliente

b. Estar ao lado (be besid) VS do lado de (on the side)

c. Algumas reflexões das várias vertentes, da abordagem, sobre o trabalho com casais

d. A experiência de Brian Thorne em terapias breves num centro de counseling universitário

e. O problema de certos aspectos da relação terapêutica nunca serem explicitados

4. O processo terapêutico

a. Grande parte desta secção refere-se ao problema da responsabilidade e do poder de decisão que o cliente coloca sobre o terapeuta e das dificuldades que surgem no gerir desta situação

b. O focusing e a sua utilização integrada na prática do counseling, não como uma técnica mas como um a atitude

c. Os cuidados na avaliação da mudança do conceito de self, a qual não é feita num processo linear, o que pode dar origem interpretações erradas relativamente à evolução do processo

d. Confrontação: não como uma experiência de ameaça ao cliente mas como um espelho onde o cliente é convidado a reflectir-se

e. Avaliar e lidar com as paragens no processo terapêutico

5. Psicopatologia centrada na pessoa

Esta secção, mais do que estereotipizar a prática clínica, apresenta algumas reflexões sobre os desafios colocados às condições necessárias e suficientes que algumas características ou quadros psicopatológicos apresentam.

 

 psicot2back to top